Um novo jardim

Um novo jardim

Quando finalmente teve condições financeiras de criar um jardim, Yara resgatou os contatos do paisagista Eduardo Luppi que, há oito anos, esteve na casa ainda em reforma para esboçar um projeto verde. Antes da intervenção paisagística, o terreno em declive acentuado tinha uma laje de concreto como base, sob uma camada de 60 cm de terra, o que impedia o escoamento natural da água, que empoçava e virava barro. A solução foi instalar três ralos numa rede de água pluvial que passava sob o jardim, a cerca de 3 cm da altura do gramado. Além disso, inseriu uma fonte sobre um vaso vietnamita de cerâmica esmaltada, com aguapés. Um sistema com tubo e registro de PVC facilita a troca e o escoamento de água, além da manutenção diária.

Eduardo criou ainda uma área de leitura e descanso, com 5 x 1,20 m, e espécies variadas, como grama-preta anã, barba-de-serpente, gerânio, moreia branca, camélias, eugenia spren-geei, gardênias e orquídeas-bambu, tudo em vasos. “Selecionei plantas com alternância de florada. Assim, há flores em todas as épocas do ano”, garante. “À noite, sete pontos de luz possibilitam o uso do espaço”, completa. A pedido da moradora, que vive só, o cantinho da cadela Nega foi preservado; apenas o gramado foi substituído por um novo, do tipo esmeralda. Placas de madeira que conduziam ao atelier anexo foram trocadas por um deque inteiriço de cumaru, decorado por vasos com mudas de pimenta, alecrim e manjericão.