Escolha imponente

Escolha imponente

Grande parte dos profissionais acredita que cada ambiente pede um tipo especifico de luz, de acordo com a necessidade de cada lugar. As arquitetas Cinthia e Andreia, da Blanco Design, reforçam: “O ideal nas salas de almoço ou jantar é priorizar uma iluminação focada e de média intensidade, dando destaque apenas para o elemento principal: a mesa. Isso porque o espaço não deve ser tomado por uma mesma luz”.

No lustre provençal – uma escolha delicada e contrastante -, as profissionais optaram por lâmpadas vela clara, com potência de 40 watts cada. Como não aquecem, a distância entre a luminária e a mesa pode variar, sem obedecer a padrões. “Precisamos apenas estabelecer uma distância mínima, a partir da qual as luzes não ofusquem os olhos de quem estiver sentado à mesa”, ensina Cinthia. O restante do ambiente leva lâmpadas par 20 recuada e dicroica, que evidenciam lugares específicos dentro do espaço. Quartos e salas pedem menor intensidade. “Por isso está descartado o uso de qualquer luz branca fluorescente”, alerta Cinthia.

A luz original

Tacos de sinuca, bambu, fios da palmeira tucum e mais 36 espécies de madeiras da Amazônia são algumas das matérias-primas que o pessoal da Capital Cultural transforma em luminárias. A idéia é utilizar materiais bem brasileiros e de baixo custo para oferecer objetos diferenciados.