Passado e futuro sincronizados

Passado e futuro sincronizados

Freqüento a feira de design em Milão há alguns anos e sempre volto de lá recheado de referências, que não retratam apenas o universo do design, mas também o comportamento da humanidade. Novos hábitos e costumes nascem de novas tecnologias, que envolvem direta e indiretamente o design – um retroalimenta o outro todo o tempo.

Alguns exemplos são as novas maneiras de se comunicar, viajar e se relacionar, que exigem a criação de inúmeros produtos, desenhos e estudos preocupados com ergonomia, sem falar da estética pronta para agradar aos nossos olhos e resultar em conforto visual. Foi isso que me chamou a atenção este ano em Milão, em particular na Zona Tortona, berço das melhores exposições do Fuori Saloni. Por lá, notei novas tecnologias servindo de base para uma inédita forma de explorar e mostrar o design contemporâneo.

Sincronizados, passado, presente e futuro compõem uma história de progresso humano alinhavada por todas as possibilidades do design. O resultado multipluralista é de um senso estético que nos faz acreditar que o futuro está sendo e será muito melhor do que imaginávamos, pois o resultado mostra o conforto e a beleza do viver que nos espera.
Fica claro, por meio das fotos cucadas por mim, que as inspirações são múltiplas e trazem uma diversidade cultural imensa, fruto positivo da globalização. 0 futuro não existiria sem o passado, e o design atual reflete isso de uma forma excepcional.

O respeito pelos materiais empregados, pela vida útil prolongada que os produtos começam a oferecer e pelo desenho aliado a uma ergonomia de primeira tornou a evolução do design ainda mais madura e consciente.
A região da Tortona continua sendo o ponto mais inovador a ser visitado nessa semana milanesa, mostrando o que há realmente de novo nesse universo tão rico e tão presente no nosso dia a dia.

Design contemporâneo harmoniza todas as peças

A sintonia entre o tapete e os estofados faz a diferença na decoração desta sala. Aqui, o tapete não cobre totalmente o piso, já que o ambiente tem chanfro num dos cantos. Vivian optou por um modelo menor, que entra apenas 10 cm sob cada móvel. Repare na paleta de cores que veste a sala: azul escuro, vermelho queimado, preto e bege, num contraste de artista. Outro ponto importante: quebrando a rigidez do formato da sala, há o desenho de linhas sinuosas – visível através da mesa de vidro com cantos arredondados. A poltrona pé-palito ainda reforça o visual dos anos 50, sucesso nos 90.