Cheia de ginga vasos cerâmicos

Todos os dias pela manhã, antes de começar a pintar em seu ateliê, a artista Ana Rosa não dispensa o ritual de alongamento e coreografia que aprendeu na faculdade de dança da Universidade Federal da Bahia. Ela acredita que isso garante ao seu trabalho o ritmo e o movimento desejados. Fica explicado por que seus desenhos étnicos e grafismos, estampados em redes, tecidos e vasos cerâmicos, são tão dinâmicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>